Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Política
Assembleia Legislativa pode votar projeto sobre agrotóxicos
Proposta do governo gaúcho suprime regra que restringe a entrada no Estado de agrotóxicos não liberados em seus países de origem
Correio do Povo
por  Correio do Povo
28/06/2021 21:55 – atualizado há 1 mês
Continua depois da publicidadePublicidade

A Assembleia Legislativa poderá votar, na sessão desta terça-feira, o projeto de lei 260/2020, que trata do controle de agrotóxicos no Rio Grande do Sul. Encaminhado pelo governo do Estado no ano passado, a proposta recebeu regime de urgência e passa a trancar a pauta. Contrária ao texto, a oposição tenta adiar a votação. Na sexta-feira passada, o deputado Edegar Pretto (PT) solicitou ao chefe da Casa Civil, Artur Lemos, a retirada do pedido de urgência. “Alterar a lei é um retrocesso ambiental e social. Argumentamos ao governo que mudar a lei significa liberar mais veneno e colocar em risco a segurança alimentar e a saúde da população, não somente gaúcha, já que o Rio Grande do Sul comercializa sua produção para o Brasil e o exterior”, alertou o deputado.

Edegar Pretto e o ex-deputado Antenor Ferrari após encontro com Artur Lemos | Foto: Leandro Molina / Gab. Dep. Edegar Pretto/ CP

Na reunião, Pretto entregou ao chefe da Casa Civil documento com a adesão de mais de 240 entidades pedindo mais tempo para a discussão do assunto com a sociedade. Lemos se comprometeu a discutir o assunto com o governador Eduardo Leite (PSDB). Em função do pedido de urgência, é necessário que o governo retire essa solicitação, caso contrário, nenhum outro projeto pode ser votado em plenário. O chefe da Casa Civil recordou que o pleito feito no início deste ano, de mais tempo para aprofundar o debate, foi atendido. Segundo ele, estudo apresentado pela Secretaria de Agricultura reforça que é mantido o cadastro e a autonomia do Estado em restringir aplicação em solo gaúcho desde que fundamentado, tal qual já ocorre atualmente.

O projeto altera a regra sobre restrições ao ingresso no Estado de produto agrotóxico importado. Atualmente, o produto só pode ser adquirido se o uso for autorizado no país de origem, trecho que, pela proposta, será suprimido. Na justificativa do texto, consta que a atual lei faz com que o setor produtivo do agronegócio não tenha “acesso a melhor tecnologia e aos avanços produtivos daí derivados”. Apesar de alterar o trecho, está mantida a exigência do registro junto ao órgão federal e o cadastro do mesmo nos órgãos competentes estaduais.

O ex-deputado Antenor Ferrari (MDB), que foi o autor da lei estadual de 1982 que trata da legislação do uso de agrotóxicos, participou do encontro. No encontro, Ferrari recordou toda a articulação realizada na década de 80 em relação ao tema, que resultou na legislação. Com a possibilidade da votação do projeto, entidades e movimentos do campo organizam hoje um ato em frente ao Palácio Piratini.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...